As emissões de metano do setor energético aumentaram em 2023


Os satélites podem ajudar a compreensão mundial das emissões de metano e das suas fontes: o relatório da IEA incorpora as suas leituras juntamente com dados de outras campanhas de medição com base científica, observa que os satélites identificaram um aumento substancial em grandes fugas de combustíveis fósseis em 2023 em comparação com 2022, com mais de 5 milhões de toneladas de emissões detectadas – incluindo de um poço explosão no Cazaquistão que durou mais de 200 dias.

As emissões globais de metano continuam a ser demasiado elevadas para cumprir as metas climáticas internacionais. Para limitar o aquecimento global a 1,5 °C, um objetivo fundamental do Acordo de Paris, as emissões de metano provenientes de combustíveis fósseis têm de diminuir 75% nesta década, de acordo com a análise da AIE.

Gastos para redução de metano em operações de petróleo e gás no cenário Net Zero, 2024-2030
www.iea.org/reports/global-methane-tracker-2024

“Um corte de 75% nas emissões de metano provenientes de combustíveis fósseis até 2030 é imperativo para impedir que o planeta aqueça a um nível perigoso. Sinto-me encorajado pelo impulso que temos visto nos últimos meses, que a nossa análise mostra que pode fazer uma diferença enorme e imediata na luta mundial contra as alterações climáticas”, disse o Diretor Executivo da IEA, Fatih Birol . “Agora, devemos nos concentrar em transformar compromissos em ações – ao mesmo tempo que continuamos a almejar mais alto. Políticas bem conhecidas e tecnologias existentes poderiam reduzir substancialmente as emissões de metano provenientes de combustíveis fósseis. A IEA está pronta para ajudar o sector energético a atingir os seus objetivos através da implementação destas medidas, e continuaremos a monitorizar o progresso – uma parte fundamental dos nossos esforços mais amplos para garantir que os países cumpram as promessas energéticas que fizeram na COP28.”

Espera-se que os esforços para reduzir as emissões de metano acelerem em 2024 e nos anos seguintes: quase 200 governos concordaram em Dubai em reduzir “substancialmente” as emissões de metano até 2030, enquanto iniciativas regulamentares significativas foram anunciadas pelo Canadá, pela União Europeia e pelos Estados Unidos. Novas empresas também se comprometeram a agir através do lançamento da Carta de Descarbonização do Petróleo e do Gás, e mais países estão a aderir ao Compromisso Global do Metano – incluindo, mais recentemente, o Azerbaijão, que sedia a COP29.

Se todos os compromissos relativos ao metano assumidos pelos países e empresas até a data forem implementados na íntegra, seria suficiente reduzir as emissões de metano provenientes de combustíveis fósseis em 50% até 2030, conclui a nova análise da AIE. Contudo, a maioria dos compromissos ainda não é apoiada por planos de implementação.

O metano é responsável por quase um terço do aumento das temperaturas globais desde a Revolução Industrial, e o setor energético – incluindo petróleo, gás natural, carvão e bioenergia – é a segunda maior fonte de emissões de metano provenientes da atividade humana. Embora o metano na atmosfera se dissipe mais rapidamente do que o dióxido de carbono, é um gás com efeito estufa muito mais poderoso durante o seu curto período de vida. Como resultado, reduzir as emissões de metano é uma das melhores formas de limitar o aquecimento global e melhorar a qualidade do ar no curto prazo.

Também é extremamente econômico: de acordo com a nova análise da AIE, cerca de 40% das emissões de metano provenientes de operações de combustíveis fósseis em 2023 poderiam ter sido evitadas sem qualquer custo líquido, uma vez que o valor do metano capturado era superior ao custo da medida de redução. A redução das emissões de metano provenientes dos combustíveis fósseis em 75% até 2030 exigiria cerca de 170 bilhões de dólares em gastos – menos de 5% do rendimento gerado pela indústria dos combustíveis fósseis em 2023.

Entretanto, um número crescente de satélites de última geração que monitorizam fugas de metano, como o recentemente lançado MethaneSAT do Fundo de Defesa Ambiental, está se tornando mais fácil identificá-las e resolvê-las. Estes satélites também estão a preencher lacunas e incertezas que permanecem nos dados, fornecendo informações oportunas que, de outra forma, poderiam ficar de fora da divulgação.

Atualmente, as emissões de metano implícitas nos relatórios existentes das empresas de petróleo e gás são 95% inferiores à estimativa da IEA para 2023, enquanto os níveis de emissões comunicados pelos países são cerca de 50% inferiores. 

A produção e o uso de combustíveis fósseis lançaram mais de 120 milhões de toneladas métricas de metano na atmosfera no ano passado, um ligeiro aumento em relação a 2022, afirma o relatório da IEA.

Entre as “tendências preocupantes”, Christophe McGlade menciona os grandes vazamentos detectados por satélite, que “aumentaram mais de 50% na comparação com 2022”, representando 5 milhões de toneladas adicionais.

Um deles, gigantesco, no Cazaquistão, durou quase 200 dias.

Apesar do cenário, a Agência mantém o otimismo: “as políticas e regulamentações importantes anunciadas nos últimos meses, assim como os novos compromissos assumidos na reunião de cúpula do clima COP28 em Dubai, podem provocar uma redução”, afirma a instituição.

Na COP28, 52 empresas de petróleo e gás se comprometeram a adotar uma política de “metano quase zero” em suas operações até 2030, mas a promessa foi recebida com ceticismo”, afirmou Christophe McGlade.

Últimas Notícias

Recap lança campanha de combate a fraudes no setor de combustíveis

As fraudes no setor de combustíveis afetam não apenas a concorrência leal entre as empresas, mas toda a sociedade, ao retirar recursos de áreas...
advertisementspot_img

Prêmio DowGOL reconhece os melhores fornecedores logísticos 

A Dow Brasil anunciou os vencedores da 18ª edição do Prêmio DowGOL que reconhece e promove as melhores práticas de fornecedores logísticos. O evento...

Sabesp é finalista de maior prêmio do mundo no setor de biogás

A Sabesp é finalista do AD and Biogas Industry Award 2024, a maior premiação do mundo no setor de biogás. A Companhia concorre na...