Nearshoring traz novas oportunidades para o Brasil


O mercado de nearshoring, estratégia industrial que envolve a realocação de fábricas e produção para outros países, deve ganhar força em toda América Latina em 2024 e isto não será diferente para o Brasil. O país poderá se aproveitar de espaços que não foram totalmente atendidos no último ano e atrair serviços globais para o território nacional. De acordo com Mario Veraldo, CEO da empresa de logística MTM Logix, com a geração de 93% de eletricidade por meio de fontes limpas e com potencial em minerais para baterias, a região se destaca e deve atrair novos olhares de investidores.

“Esta matriz energética mais limpa e econômica permite ao Brasil competir, de maneira disparada, como plataforma exportadora de baixa pegada de carbono. O país também pode transformar seu vasto mercado consumidor em uma base complementar de produtos e matérias-primas”, afirma Veraldo.

De acordo com CEO, outro fator que deve gerar grandes oportunidades para a economia brasileira será a demanda chinesa por construção e consumo, setores nos quais o Brasil é um grande fornecedor de matérias-primas.

O mercado de nearshoring deve crescer a uma taxa de crescimento anual composta (CAGR) de 10,3% de 2021 a 2025, de acordo com um estudo da Deloitte. Além disso, a última projeção do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) aponta que o Brasil pode exportar mais US$ 7,84 bilhões se navegar na onda do movimento.

Mesmo com perspectivas otimistas, o país enfrentará desafios em 2024, com uma possível diminuição do crescimento global e tensões geopolíticas, que podem afetar a economia, em especial o mercado de commodities. “Tais condições desfavoráveis também podem se tornar oportunidades se houver uma onda de cortes nas taxas de juros e a desvalorização do dólar globalmente, o que tem boas chances de ocorrer”, diz Veraldo.  

A MTM Logix aponta que o país também exibe potencial exportador em áreas como aviação civil, saúde, tecnologia da informação, telecomunicações e, principalmente, em mineração de lítio, o principal componente de baterias de carros elétricos. 

O Brasil também enfrenta forte concorrência de economias mais próximas aos principais mercados consumidores e, para driblar este fato é preciso tomar proveito do posicionamento político e geográfico, visto que o Brasil pode atender o resto da América Latina, o sul da África e o norte da Europa. Além disso, a expansão dos negócios chineses deve ocorrer em países considerados estratégicos para a China, como a África do Sul e o Brasil, que é base exportadora para os demais países da região e possui possibilidade de exportar para os EUA, já que a guerra comercial com a China não permite essa relação direta. 

Espera-se que a consolidação do nearshoring produza benefícios significativos em toda a região da America Latina, incluindo a recuperação econômica e a desaceleração da inflação, realocando investimentos no valor de US$ 30 bilhões a US$ 50 bilhões, antes destinados à Ásia.

Brasil e México têm sido ativamente promovidos como destinos de nearshoring, sobretudo para as empresas que procuram externalizar operações de fábrica. O Brasil, por exemplo, está melhorando seu ambiente de negócios para atrair investimentos estrangeiros diretos por meio de medidas como o estabelecimento do Ombudsman para Investimentos. Porém, ainda enfrenta alguns problemas que podem afetar as iniciativas, como a inflação elevada; instabilidade econômica, pois a economia do Brasil é conhecida por ser volátil, com flutuações nas taxas de câmbio; e falta de infraestrutura, o que pode trazer dificuldades para as empresas acessarem os recursos e conseguirem o apoio que necessitam para operarem eficazmente. Assim, é preciso “arrumar a casa” para que mais oportunidades surjam para o Brasil.  

“Nosso papel como empresa é fazer com que o processo seja mais eficiente e ajudar os clientes a aterrizarem nos mercados que vão se beneficiar com essa nova megatrend”, finaliza Veraldo.

Últimas Notícias

Utilização da capacidade instalada despenca para 58%, o menor nível mensal da história da química nacional

De acordo com os dados da amostra do Relatório de Acompanhamento Conjuntural (RAC), o índice de utilização da capacidade instalada da indústria química brasileira...

FPSO Bacalhau – Primeiro FPSO Novo do Mundo com Notação DNV Abate

A Modec comunica que o FPSO Bacalhau recebeu a Aprovação em Princípio (AiP) para Notação de Redução da sociedade de classificação DNV, tornando-se o...

ADNOC implanta a primeira solução de IA RoboWell da AIQ em operações offshore

A ADNOC anunciou a implantação do RoboWell, a solução pioneira de controle de poços autônomos de inteligência artificial (IA) da AIQ, em suas operações...