Plástico biodegradável revoluciona as indústrias e protege o meio ambiente 


O crescente cenário da poluição plástica tem sido uma preocupação global nos últimos anos. De acordo com a ONU, a gestão dos resíduos sólidos é um aspecto crucial para o desenvolvimento sustentável no Brasil e em demais países da América Latina. Neste cenário, a biodegradação pode ser uma poderosa aliada nessa missão, pois contribui para a redução do acúmulo de resíduos plásticos no meio ambiente, levando somente cerca de três a vinte meses para concluir seu ciclo de reintegração na natureza

A tecnologia inovadora por trás do plástico biodegradável é projetada para produzir materiais poliméricos (estrutura sólida feita de muitas partes interligadas) que têm a capacidade de se decompor naturalmente e de forma rápida em diferentes condições como solo, água e compostagem. Estes polímeros podem ser naturais, como a celulose e o amido, ou sintéticos e biobaseados, como o poliácido lático (PLA) e o polibutileno adipato-co-tereftalato (PBAT).

“O ponto chave está na estrutura química dos polímeros considerados biodegradáveis, que são mais suscetíveis à ação de microorganismos presentes no ambiente, como fungos e bactérias, os quais utilizam esses materiais como fonte de alimento e energia a partir da quebra das ligações químicas dos compostos consumidos. Como resultado, os microrganismos transformam os materiais em produtos mais simples, como água, dióxido de carbono e biomassa” explica Ignacio Parada, CEO da Bioelements, empresa dedicada à produção de alternativas biodegradáveis ao plástico convencional que não produzem microplásticos ou toxicidade por metais pesados ao meio ambiente.

Em contraste, os plásticos comuns podem persistir por longos períodos de tempo no meio ambiente pelo fato de possuírem uma estrutura rígida com ligações fortes, o que os torna altamente resistentes à ação de agentes decompositores. “Os microrganismos presentes na natureza ainda não desenvolveram as enzimas necessárias para degradar as substâncias presentes no plástico comum, por isso, não conseguem quebrá-los em partes menores e fazer com que se reintegrem ao meio ambiente de forma rápida”, afirma Parada.  

No âmbito empresarial, a adoção do plástico biodegradável pode ser uma estratégia revolucionária na implantação de ações socioambientais em sintonia com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU, visto que o impacto deste material contempla diferentes aspectos ambientais, sociais e econômicos. Por ser compatível com uma ampla gama de aplicações, especialmente em relação às embalagens e descartáveis, a opção tem a capacidade de proporcionar soluções ecológicas para diversos segmentos do mercado.  

Por fim, é importante notar que nem todos os materiais são prontamente biodegradáveis e que o processo pode ser afetado pelas condições ambientais, como a presença de oxigênio, umidade, temperatura e a disponibilidade de microorganismos específicos. Por isso, a conscientização acerca do descarte responsável e da reciclagem de resíduos tem se tornado um tema cada vez mais urgente no país, tanto para os consumidores quanto para as indústrias.

Últimas Notícias

Utilização da capacidade instalada despenca para 58%, o menor nível mensal da história da química nacional

De acordo com os dados da amostra do Relatório de Acompanhamento Conjuntural (RAC), o índice de utilização da capacidade instalada da indústria química brasileira...

FPSO Bacalhau – Primeiro FPSO Novo do Mundo com Notação DNV Abate

A Modec comunica que o FPSO Bacalhau recebeu a Aprovação em Princípio (AiP) para Notação de Redução da sociedade de classificação DNV, tornando-se o...

ADNOC implanta a primeira solução de IA RoboWell da AIQ em operações offshore

A ADNOC anunciou a implantação do RoboWell, a solução pioneira de controle de poços autônomos de inteligência artificial (IA) da AIQ, em suas operações...