Emissões no Mar do Norte diminuíram

Foto: Jamie Baikie e Michal Wachucik/Equinor

As emissões de gases com efeito de estufa provenientes da produção offshore de petróleo e gás no Reino Unido foram reduzidas pelo terceiro ano consecutivo em 2022, à medida que a indústria continuava o seu esforço para atingir zero emissões líquidas até 2050. 

A redução estimada de 3% no ano passado contribuiu para uma queda de 23% nas emissões de gases com efeito de estufa entre 2018 e 2022, de acordo com o último Relatório de Monitorização de Emissões da Autoridade de Transição do Mar do Norte (NSTA).

Esta indústria continua no bom caminho para cumprir as metas de redução das emissões em 10% até 2025 e 25% até 2027, conforme acordado no Acordo de Transição do Mar do Norte (NSTD) com o governo do Reino Unido em março de 2021.

No entanto, serão necessárias medidas ousadas para atingir o objetivo principal de reduzir para metade as emissões até 2030 – o mínimo absoluto que a NSTA espera da indústria.

A NSTA alertou no ano passado que, a menos que a indústria tome medidas positivas, um provável aumento na produção de petróleo e gás em 2022 faria com que as emissões permanecessem estáveis ​​ou aumentassem temporariamente.

No entanto, o investimento da indústria em tecnologias que minimizam a queima e iniciativas de eficiência de combustível significou que as emissões continuaram a cair, apesar da produção superior à de 2021.

Por exemplo, um operador substituiu componentes num compressor de exportação de gás, reduzindo o consumo de combustível em 18 toneladas por dia e poupando 20.000 toneladas de CO 2 e de emissões por ano.

As emissões diminuíram em 78% das instalações offshore entre 2018 e 2022, em alguns casos através de encerramentos permanentes, mas para 59% delas, através de iniciativas ativas de redução de emissões. Estas medidas não só apoiam os objetivos líquidos zero do Reino Unido, como também reforçam a segurança energética ao poupar gás que pode ser usado para manter as luzes acesas, as casas aquecidas e as empresas a funcionar.

Embora a indústria esteja progredindo, há mais trabalho a fazer. A indústria precisa de preservar a sua licença social para operar e a NSTA estima que sem medidas adicionais e sustentadas, o sector não cumprirá a meta para 2030 de reduzir as emissões para metade.

Embora a pegada de carbono do gás do Reino Unido seja, em média, quase quatro vezes inferior à do GNL importado, é mais do dobro das importações por gasoduto da Noruega, cuja bacia é semelhante à plataforma continental do Reino Unido. A baixa intensidade de carbono do gás norueguês deverá funcionar como um estímulo para uma maior limpeza da produção do Reino Unido.

A NSTA continuará a responsabilizar a indústria pelas emissões, monitorizando, monitorizando e comparando o desempenho dos operadores, partilhando as melhores práticas e pressionando os licenciados para um progresso incessante na redução da queima, eficiência de combustível e esquemas de electrificação de plataformas.

Isto é apoiado pela estratégia da NSTA , que foi revista em 2021 para obrigar a indústria a ajudar o Reino Unido a atingir o zero líquido até 2050. Posteriormente, a NSTA começou a exigir que os operadores desenvolvessem Planos de Ação de Redução de Emissões para as suas instalações e emitiu orientações mais rigorosas afirmando que todos os novos desenvolvimentos deveriam não terão queima e ventilação de rotina, com zero queima de rotina em todas as plataformas do Mar do Norte até 2030. A abordagem está a revelar-se eficaz, não só nas reduções de emissões alcançadas, mas desde o início de 2021, as intervenções da NSTA contribuíram para evitar a emissão de 3 milhões de toneladas de equivalente CO 2 ao longo da vida, o mesmo que tirar mais de 1,5 milhões de carros das estradas por um ano.

“Há algumas descobertas realmente positivas a serem creditadas aqui, incluindo o progresso ano após ano e o investimento ativo em novas tecnologias de redução de emissões. No entanto, não podemos esconder o facto de que há mais trabalho a fazer. A NSTA responsabilizará firmemente o setor pelas emissões, incluindo o seu compromisso de reduzir as emissões para metade até 2030, que é o mínimo absoluto que esperamos,”  disse Hedvig Ljungerud, Diretora de Estratégia da NSTA.

Últimas Notícias

Fortalecendo a prevenção e o enfrentamento à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes

A Vibra, maior distribuidora de combustíveis e lubrificantes do Brasil, está comprometida com a causa social de "Enfrentamento à Exploração Sexual de Crianças e...
advertisementspot_img

Busch do Brasil expande seu portfólio com produtos da Pfeiffer Vacuum

A Busch do Brasil Ltda., uma subsidiária integral da Busch SE, anunciou expansão de seu portfólio: está assumindo a distribuição e o serviço dos produtos...

Identificação padronizada para segurança do alimento

Uma nova forma de identificar produtos no varejo, que transforma a rotina dos consumidores e os processos de automação das empresas da cadeia de...