Investimento global em energia limpa salta 17% e atinge US$ 1,8 trilhão em 2023


O investimento global na transição energética de baixo carbono aumentou 17% em 2023, atingindo US$ 1,77 trilhão, de acordo com o relatório Energy Transition Investment Trends 2024, publicado pela empresa de pesquisa BloombergNEF (BNEF). Esse número é um novo recorde de investimento anual e demonstra a resiliência da transição de energia limpa em um ano de turbulência geopolítica, altas taxas de juros e inflação de custos.

O relatório conclui que o transporte eletrificado é agora o maior setor para gastos na transição energética, crescendo 36% em 2023, para US$ 634 bilhões. Este valor inclui os gastos com carros elétricos, ônibus, veículos de duas e três rodas e veículos comerciais, bem como infraestrutura associada.

O transporte eletrificado ultrapassou o setor de energia renovável, que teve um aumento de 8%, para US$ 623 bilhões. Esse valor reflete o investimento na construção de instalações de produção de energia renovável, como usinas eólicas, solares e geotérmicas, e plantas de produção de biocombustíveis – entre outras coisas. O investimento na rede elétrica foi o terceiro maior contribuinte, com US$ 310 bilhões. As redes são um facilitador crítico para a transição energética, e o investimento nelas precisará aumentar nos próximos anos.

“O ano passado trouxe novos recordes para o investimento global em energia renovável. O forte crescimento nos EUA e na Europa impulsionou a ascensão global, mesmo com a China, o maior mercado de renováveis do mundo, registrando uma queda de 11%. Apesar de um ano de manchetes difíceis, uma quantidade recorde de capacidade eólica offshore também atingiu o fechamento financeiro”, disse Meredith Annex, chefe de energia limpa da BNEF e coautora do relatório.

Houve também um forte crescimento em áreas emergentes como hidrogênio (com o investimento triplicando ano a ano), captura e armazenamento de carbono (quase dobrando) e armazenamento de energia (aumento de 76%).

O maior país para investimentos foi a China, com US$ 676 bilhões investidos em 2023 – o equivalente a 38% do total global. Embora a China continue dominante, sua vantagem foi reduzida. Juntos, União Europeia, EUA e Reino Unido superaram a China com US$ 718 bilhões de investimento – um feito que não haviam conseguido em 2022. O investimento nos EUA saltou 22% em relação ao ano anterior, para US$ 303 bilhões, quando os efeitos da Lei de Redução da Inflação começaram a ser sentidos.

O nível atual de investimento em tecnologias de energia limpa não é quase suficiente para colocar o mundo no caminho do zero líquido até meados do século. De acordo com o relatório, o investimento em transição energética precisaria de uma média de US$ 4,8 trilhões por ano de 2024 a 2030 para se alinhar ao Cenário Zero Líquido da BNEF, uma trajetória alinhada ao Acordo de Paris a partir do New Energy Outlook de 2022. Isso é quase três vezes o investimento total observado em 2023.

“Nosso relatório mostra a rapidez com que a oportunidade de energia limpa está crescendo e, no entanto, o quão longe ainda estamos. Os gastos com investimento em transição energética cresceram 17% no ano passado, mas precisam crescer mais de 170% se quisermos entrar no caminho do zero líquido nos próximos anos. Somente uma ação determinada dos formuladores de políticas pode desbloquear esse tipo de mudança de impulso”, disse Albert Cheung, vice-CEO da BNEF.

Além disso, o relatório da BNEF conclui que o investimento na cadeia global de fornecimento de energia limpa, incluindo fábricas de equipamentos e produção de metais de bateria para tecnologias de energia, atingiu um novo recorde de US$ 135 bilhões em 2023 (contra apenas US$ 46 bilhões em 2020), e deve aumentar ainda mais nos próximos dois anos. A BNEF projeta que esse valor suba para US$ 259 bilhões até 2025, com base nos planos de investimento atualmente anunciados. Nos próximos dois anos, apenas o setor eólico precisa aumentar seu investimento na cadeia de suprimentos para entrar no caminho certo para uma trajetória líquida zero; as outras áreas estão investindo em ritmo suficiente.

O investimento na cadeia de suprimentos deve continuar a reduzir os preços dos equipamentos na maioria dos setores, o que é uma boa notícia para a transição energética. Mas o excesso de oferta anuncia uma era de margens espremidas para os fabricantes de energia solar e baterias.

Além de acompanhar o financiamento para implantação de energia limpa e investimento na cadeia de suprimentos de energia limpa, o relatório Energy Transition Investment Trends 2024 também rastreia dois outros tipos de financiamento:

Captação de ações de tecnologia climática: capital levantado por empresas focadas no clima e na transição energética (US$ 84 bilhões em 2023)), que vem caindo nos últimos dois anos, uma vez que a subida das taxas de juro tornou mais difícil para as empresas levantarem capital. As empresas levantaram US$ 168 bilhões em 2021 e US$ 127 bilhões em 2022 – empresas focadas em energia limpa levantaram mais capital do que qualquer outro setor em 2023, com US$ 49 bilhões. Mas as empresas do setor de transporte limpo viram o financiamento cair mais acentuadamente, de US$ 47 bilhões levantados em 2022 para apenas US$ 18 bilhões em 2023. Os transportes continuaram a ser o segundo maior setor de financiamento, seguidos da Indústria, Edifícios, Agricultura e “Clima e Carbono”.

Emissão de dívida para transição energética: dívida emitida por empresas e governos para financiar a transição energética (US$ 824 bilhões em 2023)), número que subiu 4% em 2023, depois de ter caído 10% em 2022. A estabilização ou queda das taxas de juros em vários mercados ajudou empresas e governos a aumentar o endividamento para fins de transição energética e essas tendências são reflexo do mercado mais amplo.
As concessionárias de serviços públicos levantaram a maior dívida para a transição energética (US$ 328 bilhões), seguidas por instituições financeiras (US$ 176 bilhões) e governos (US$ 141 bilhões) e a emissão de dívida de transição energética das empresas de petróleo e gás caiu para US$ 8,3 bilhões, ante US$ 17,5 bilhões em 2022.

O Energy Transition Investment Trends é a revisão anual da BloombergNEF sobre o investimento global na transição energética de baixo carbono.

Últimas Notícias

Recap lança campanha de combate a fraudes no setor de combustíveis

As fraudes no setor de combustíveis afetam não apenas a concorrência leal entre as empresas, mas toda a sociedade, ao retirar recursos de áreas...
advertisementspot_img

Prêmio DowGOL reconhece os melhores fornecedores logísticos 

A Dow Brasil anunciou os vencedores da 18ª edição do Prêmio DowGOL que reconhece e promove as melhores práticas de fornecedores logísticos. O evento...

Sabesp é finalista de maior prêmio do mundo no setor de biogás

A Sabesp é finalista do AD and Biogas Industry Award 2024, a maior premiação do mundo no setor de biogás. A Companhia concorre na...