Megaprojeto de hidrogênio verde

Reprodução/ Ascom ZPE

O governo do estado do Piauí e as empresas Green Energy Park e Solatio lançaram a pedra fundamental do projeto que promete ser a maior produção de hidrogênio verde (H2V) do mundo. A proposta é construir um parque para a produção do “combustível do futuro” e abastecer o mercado europeu e brasileiro. 

O lançamento contou com a presença do vice-presidente da República, Geraldo Alckmin, que afirmou: “Eu e o presidente Lula falamos juntos, o Brasil precisa de uma neoindustrialização. O que é a nova indústria? Aqui está o maior exemplo da nova indústria: inovadora e verde. Então, olha o que  vai ter de tecnologia, start ups, pesquisa, inovação, digitalização. Uma nova indústria, aliás, várias indústrias, de hidrogênio, da amônia, um complexo industrial, e verde, descarbonizar”. Alckmin também ressaltou, citando os empresários da Green Energy Park e Solatio, que estão fazendo os investimentos no Piauí, que o governo tem priorizado investimentos e o comércio exterior, e citou a aprovação da reforma tributária.

As duas empresas, segundo o governo, vão investir nos próximos 10 anos cerca de R$ 200 bilhões no projeto. Com investimentos de grupos europeus, o Piauí quer liderar o debate sobre energias limpas e ser um celeiro de estudos sobre hidrogênio verde e amônia. 

O hidrogênio verde é produzido através da eletrólise da água (é um processo de separação dos gases que compõe a molécula de água (H2O) que é hidrogênio e oxigênio através de corrente elétrica). É um combustível inodoro, atóxico, incolor, inflamável, leve e muito reativo. 

O hidrogênio verde pode ser usado diretamente como combustível, além de servir como matéria-prima para a síntese de outros produtos como por exemplo amônia verde, aço e metanol. 

As fontes de energia para a produção do H2V devem ser limpas e renováveis (solar, eólica, biomassa entre outras).

As mudanças climáticas impõem uma transição energética com a redução do combustível fósseis e o megaprojeto nasce em um ambiente bastante viável:  a primeira etapa do projeto inicia operações em fevereiro de 2027. Ao todo, estão previstos 20 mil megawatts (MW) de potência. O projeto pleno estará em funcionamento em 2035.

O hidrogênio verde produzido no Piauí será transformado em amônia e uma parte será exportada para Europa enquanto  a outra será trabalhada na cadeia do agro para os fertilizantes nitrogenados. 

O Centro Internacional de Inovação de Hidrogênio Verde contará com cerca de 30 pesquisadores de várias partes do mundo, sendo 15 do Piauí. 

O Centro vai fazer o acompanhamento dos projetos de Hidrogênio Verde, de promoção de pesquisa aplicada e inovação a cadeia do hidrogênio verde. É um dos primeiros centros no Brasil de fomento a inovação do hidrogênio verde com foco na geração de novos negócios, de startups, soluções inovadoras tecnológicas para as empresas. 

O Centro terá parceiros como universidades europeias, americanas, a Ufpi, Uespi, Ufpar, Ifpi.

Últimas Notícias

Fortalecendo a prevenção e o enfrentamento à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes

A Vibra, maior distribuidora de combustíveis e lubrificantes do Brasil, está comprometida com a causa social de "Enfrentamento à Exploração Sexual de Crianças e...
advertisementspot_img

Busch do Brasil expande seu portfólio com produtos da Pfeiffer Vacuum

A Busch do Brasil Ltda., uma subsidiária integral da Busch SE, anunciou expansão de seu portfólio: está assumindo a distribuição e o serviço dos produtos...

Identificação padronizada para segurança do alimento

Uma nova forma de identificar produtos no varejo, que transforma a rotina dos consumidores e os processos de automação das empresas da cadeia de...