Perdas econômicas devem aumentar devido às mudanças climáticas


Mudanças climáticas terão um impacto maior nas perdas econômicas do futuro, segundo o Swiss Re Institute. Uma nova análise de 36 países classifica as Filipinas e os EUA como os países economicamente mais expostos à intensificação de riscos devido às mudanças climáticas.

Jérôme Jean Haegeli, Chief Economist do Grupo Swiss Re afirma: “As mudanças climáticas estão causando eventos mais severos e aumentando o impacto das economias. Portanto, torna-se crucial adotar medidas de adaptação. A redução de riscos por meio da adaptação promove segurabilidade. A indústria de seguros está pronta para desempenhar um papel importante ao catalisar investimentos em adaptação, diretamente como investidor de longo prazo e indiretamente por meio da subscrição de projetos favoráveis ao clima, além de compartilhar conhecimento sobre riscos. Quanto mais precisão houver na precificação dos riscos das mudanças climáticas, maiores serão as chances de realizar investimentos realmente necessários”.

Com base nos resultados do Intergovernmental Panel on Climate Change (IPCC) – Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas, o novo relatório do Swiss Re Institute “Changing Climates: The heat is (still) on” analisa onde os perigos provavelmente se intensificarão e sobrepõe isso com suas próprias estimativas de perdas econômicas resultantes de quatro principais riscos meteorológicos até o momento atual. Isso fornece uma visão de possíveis implicações econômicas diretas se as catástrofes naturais relacionadas ao clima se intensificarem.  

Com perdas econômicas anuais de 3% do PIB, até o momento, as Filipinas são as mais impactadas pelos quatro perigos meteorológicos entre os 36 países, ao mesmo tempo em que estão expostas a uma alta probabilidade de intensificação dos riscos. Os Estados Unidos estão em segundo lugar: com US$97 bilhões (0,38% do PIB), o país experimenta as maiores perdas econômicas em termos absolutos de eventos climáticos em todo o mundo e, ao mesmo tempo, uma probabilidade média de que os perigos se intensifiquem.

Em geral, os países com lacuna, ou falta significativa, de proteção de seguros e onde o estabelecimento de medidas de mitigação de perdas e adaptação fica aquém da taxa de crescimento econômico estão mais financeiramente em risco devido à intensificação dos perigos. As economias asiáticas de rápido crescimento, como Tailândia, China, Índia e Filipinas, são as mais vulneráveis, de acordo com o relatório. 

Enquanto o risco de inundação é projetado para intensificar globalmente, o principal fator de perdas econômicas relacionadas ao clima nos EUA, assim como no leste e sudeste da Ásia, são os ciclones tropicais. Hoje, em termos absolutos, as perdas econômicas de eventos climáticos nos EUA são as mais altas do mundo, principalmente impulsionadas pelos ciclones tropicais (furacões). Tempestades severas também representam uma grande parte das perdas econômicas.  

O primeiro passo para diminuir as perdas é reduzir o potencial de perda por meio de medidas de adaptação. Exemplos de ações de adaptação incluem a aplicação de códigos de construção, aumento da proteção contra inundações, enquanto se mantém um olhar atento sobre o assentamento em áreas propensas a perigos naturais. Em última análise, as perdas como parte do PIB de cada país dependerão da adaptação futura, redução de perdas e prevenção.

Perdas econômicas probabilísticas, até o momento, como uma porcentagem do PIB, a partir dos quatro principais eventos de perigo meteorológico, por país, em 2022. Observação: Estes são apenas os limites inferiores das perdas econômicas potenciais, pois o estudo não abrange todos os perigos meteorológicos (por exemplo, ondas de calor) e considera apenas as perdas de propriedade. E, à medida que os climas em mudança aumentam a intensidade dos eventos climáticos, o potencial de perda provavelmente aumentará. Fonte: Swiss Re Institute, 2024.

Acesse o estudo completo 2024-02-28-sri-expertise-publication-changing-climates-heat-still-on.pdf (swissre.com)

Últimas Notícias

Fortalecendo a prevenção e o enfrentamento à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes

A Vibra, maior distribuidora de combustíveis e lubrificantes do Brasil, está comprometida com a causa social de "Enfrentamento à Exploração Sexual de Crianças e...
advertisementspot_img

Busch do Brasil expande seu portfólio com produtos da Pfeiffer Vacuum

A Busch do Brasil Ltda., uma subsidiária integral da Busch SE, anunciou expansão de seu portfólio: está assumindo a distribuição e o serviço dos produtos...

Identificação padronizada para segurança do alimento

Uma nova forma de identificar produtos no varejo, que transforma a rotina dos consumidores e os processos de automação das empresas da cadeia de...