Reaproveitamento de materiais minimiza impacto ambiental e diminui dependência de fornecedores


Segundo estimativas feitas por empresas internacionais de consultoria, a oferta de cobre crescerá em uma proporção menor do que a demanda até 2031. Isso resultará em problemas na cadeia de suprimentos, assim como no preço, aumentando custos para a indústria. O problema, no entanto, deve afetar em proporção menor a Cecil Laminação de Metais, que há alguns anos adotou um modelo de produção sustentável, que recicla o cobre extraído de produtos já descartados por outras companhias ou por consumidores.
Usado na fabricação de produtos elétricos, eletrônicos, tubos e ferramentas, o cobre tem como principais características a alta condutividade térmica e elétrica, a maleabilidade, a ductilidade e o brilho metálico característico. Sua demanda tem aumentado em parte por causa das mudanças que o sistema energético vem sofrendo mundialmente. A troca de combustíveis fósseis por energias limpas exigem a produção de equipamentos elétricos (painéis solares, carros elétricos etc.), que usam cobre em suas estruturas.
De acordo com a consultoria S&P Global, este ano a demanda global de cobre chegará a 26,3 milhões de toneladas e a oferta a 26,4 milhões. Mas outra consultoria, a McKinsey, estima uma demanda de 36,6 milhões de toneladas até 2031 e oferta de apenas 30,1 milhões.

No caso da Cecil, o cobre é matéria-prima para fabricação de laminados, trefilados, fios e vergalhões. A empresa também faz produtos a base de latão. “A política de reaproveitamento adotada pela Cecil tem dois objetivos claros. Reduzir o impacto ambiental e diminuir custos de processamento e produção. Essa iniciativa tem se mostrado acertada em todos os aspectos, principalmente em momentos de escassez, quando os preços sobem”, comenta a CEO da Cecil, Maria Antonietta Cervetto.

Ela lembra que é esta postura alinhada com a sustentabilidade que garantiu a longevidade da Cecil. A empresa acaba de completar 60 anos e, para comemorar, lançou o livro “Inspirada por desafios e movida por pessoas – Cecil: 60 anos”, que conta a trajetória da empresa nas seis décadas de sua existência.  

Alinhada à Agenda de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Organização das Nações Unidas (ONU), a Cecil recicla grande parte do cobre usado em sua produção. Ela também capta toneladas de óxidos resultantes dos processos de fundição do cobre e do latão, livrando a atmosfera de partículas prejudiciais à saúde e aumentando a rentabilidade da companhia, pois esses óxidos servem de matéria-prima para outras indústrias.
“Nossa política de sustentabilidade não se limita ao meio ambiente e à governança corporativa. Também nos preocupamos com a inclusão social, a diversidade e apoiamos entidades assistenciais nas cidades onde temos fábricas”, comenta a CEO.

Últimas Notícias

Fortalecendo a prevenção e o enfrentamento à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes

A Vibra, maior distribuidora de combustíveis e lubrificantes do Brasil, está comprometida com a causa social de "Enfrentamento à Exploração Sexual de Crianças e...
advertisementspot_img

Busch do Brasil expande seu portfólio com produtos da Pfeiffer Vacuum

A Busch do Brasil Ltda., uma subsidiária integral da Busch SE, anunciou expansão de seu portfólio: está assumindo a distribuição e o serviço dos produtos...

Identificação padronizada para segurança do alimento

Uma nova forma de identificar produtos no varejo, que transforma a rotina dos consumidores e os processos de automação das empresas da cadeia de...