Tecnologia de ‘bionavio’ leva ao primeiro navio movido a biomassa do mundo

Cerimônia de assinatura do MOU, a partir da esquerda: Kenichi Shibata (Diretor Executivo/Gerente Geral da Divisão de Design, TSUNEISHI SHIPBUILDING Co., Ltd.); Paul Sheffield (Diretor Comercial, Grupo Drax); Masashi Suda (Presidente, CEO, NYK Bulk & Projects Carriers Ltd.); Shinichi Yanagisawa (Diretor Executivo, Linha NYK)

As empresas japonesas NYK Line (NYK), NYK Bulk & Projects Carriers (NBP), TSUNEISHI SHIPBUILDING Co., Ltd. (“TSUNEISHI SHIPBUILDING”) e a britânica de energia renovável, Drax Group (Drax), assinaram um novo memorando de entendimento (MoU) para desenvolver o primeiro navio movido a biomassa (bionavio) do mundo e a tecnologia que poderia alimentá-lo.

Renderização de bionave

A biomassa está desempenhando um papel crescente na transição do Japão da geração de energia a partir de combustíveis fósseis para a eletricidade renovável e de baixo carbono, e a procura do país por pellets de biomassa, provenientes principalmente da América do Norte e compostos por resíduos de serrações e florestas, está aumentando.

A Drax produz pellets de biomassa no Sul dos EUA e no Canadá e tem um relacionamento de longa data com a NBP, que transporta seus pellets para o Japão. Atualmente, esses pellets são enviados através de graneleiros menores e práticos, que, devido ao tamanho limitado de seus tanques de combustível, têm se mostrado um desafio para mudar para combustíveis com emissões mais baixas, como a amônia.

Através do memorando de entendimento (MoU) assinado na Embaixada Britânica em Tóquio, as empresas irão inicialmente realizar pesquisas para desenvolver a nova tecnologia de transporte marítimo, uma central de combustível de biomassa a bordo, que seria necessária para alimentar um bionavio. As quatro empresas estão a explorar como outras tecnologias renováveis ​​poderiam ser utilizadas para reduzir as emissões e os custos de combustível do transporte de biomassa.

A usina de combustível de biomassa usaria um gaseificador para queimar biomassa em altas temperaturas e criar e conter gases, incluindo monóxido de carbono, hidrogênio e metano. Esses gases seriam então usados ​​para alimentar um gerador que poderia impulsionar a bionave e também fornecer uma porção de sua energia interna.

A instalação dessa central poderia resultar numa redução de 22% nas emissões de carbono em bionavios, quando comparada com a utilização de combustíveis fósseis. Se este desenvolvimento for bem-sucedido, as empresas estudarão em conjunto a possibilidade de construir uma bionave até o final de 2029.

Últimas Notícias

Rockwell Automation em parceria com NVIDIA impulsiona o desenvolvimento de robôs móveis industriais com IA

A Rockwell Automation anuncia novas colaborações com a NVIDIA para impulsionar o desenvolvimento de robôs móveis industriais, mais seguros e inteligentes, com Inteligência Artificial...

Primeira fábrica de inversores de energia solar do Brasil

A Livoltek, empresa do Hexing Group, inaugurou a primeira fábrica de inversores de energia solar da América Latina na Zona Franca de Manaus (ZFM)....

GT PA-DIN apresenta extensões ao padrão com lançamento da versão 1.1

Os coproprietários do Process Automation Device Information Model (PA-DIM), incluindo FDT Group, FieldComm Group, ISA 100 WCI, NAMUR, ODVA, OPC Foundation, PROFIBUS e PROFINET...